logolaranja.png
..::data e hora::.. 00:00:00

Privatização da CEEE Distribuidora foi tema da Diretoria da CEEE junto ao CEA

    O processo de privatização e os embrólios jurídicos de parte do corporativismo funcional junto as estatais foi o principal assunto da diretoria do Grupo  CEEE, durante  encontro com  a diretoria e empresários  no Centro Empresarial de Alegrete, dia  25 de junho  de 2021. O  economista Marco da Camino Ancona Lopez Soligo diretor-presidente da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), fez um amplo relatório sobre a privatização da Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica – “CEEE-D”. Munido de muitos  documentos, ele destacou a enormidade de  ações  daqueles autores de ação que contrários  ao processo  em andamento encaminharam a todas  as  instâncias. Disse que, sete ex-dirigentes e profissionais que trabalharam nas empresas do Grupo CEEE (Companhia Estadual de Energia Elétrica) ingressaram  com ações no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul com  ação popular pedindo a suspensão do processo de privatização da empresa.  Todas  estas  ações, além de ações trabalhistas milionárias e atos pouco “republicanos”  praticados por representados dos autores destas  ações, disse o dirigente. 
Munido de uma capacidade invejável de números, informações e relatos sobre os  prejuízos  bilionários praticados, Marco da Camino Ancona Lopez Soligo, disse que só um dado justifica a privatização da Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica – CEEE-D, onde o Estado passará a receber R$ 100 milhões de  ICMS, além de  deixar  de pagar 2,2 funcionários, onde mais de 20 a 30%  destes somente recebiam salários sem trabalharem pelos mais diversas situações, atestados e outros meios que são assegurados no setor público.
Outro fato citado por Marco Lopez Soligo, é de que O Grupo CEEE, tinha mais de R$ 649 milhões  em imóveis, oito regionais, que foram transformadas em 2 superintendências na sua gestão, dentro outras absurdos encontrados de várias  gestões anteriores.
Lembrou que todo o processo de  privatização da Companhia foi elaborado e  realizado por especialistas coordenados pelo BNDES, através de um trabalho exitoso em todas as áreas. Lisura e transparência sempre norteou nossos atos, disse o dirigente que acompanhados dos diretores  Giovani e  Lúcio do Prado, teceram relato completo.
Com a privatização total do Grupo CEEE, o Estado deixará de ter prejuízos milionários  que, acabavam no Tesouro do Estado, sendo pago por todos os gaúchos.
Outro fato que com a aquisição da CEEE – Distribuidora –D, pela Equitorial  Energia, possibilitará investimentos de R$ 1,5 bilhões em obras que serão necessárias à curto prazo para vencer os déficit milionários neste  segmento energético.  Os prejuízos superavam R$ 8 bilhões no setor arrecadatório do Estado. Outros números foram citados pelo dirigente todos alentando boas perspectivas para o meio empresarial representado no ato.

Reduzir o Estado

e aumentar investimento

O presidente do Centro Empresarial de Alegrete, Francisco Prado Pedroso, resumiu o encontro como importante para classe empresarial que, produzem muito com pouco retorno às áreas fundamentais como educação, saúde e segurança de parte do Estado. São estes fatos que, ainda estão acontecendo que levam a verdadeira falência do Estado, exigindo sempre aumento de impostos de quem produz. O que conhecemos foi uma aula de o que tem de mais obscuro nas “entranhas do poder”- e muito causado pelo corporativismo das estatais e empresas que causam prejuízos milionários a todos os gaúchos e brasileiros. Não podemos admitir que, tenha gente ganhando R$ 20, R$ 30, R$ 40 e R$ 50 mil reais/ mês, dentro destas estatais, além de ações milionários de R$ 1,5 a R$ 3 milhões com ações trabalhistas produzidas em benefícios de muito poucos. Somos favoráveis a privatização destas estatais e autarquias, disse o dirigente empresarial.
Histórico da ação
A ação popular era assinada por Gerson Carrion (Diretor-Presidente das empresas do Grupo CEEE nos anos de 2013 a 2015, ex-Presidente e ex-Diretor Financeiro da Fundação CEEE, e ex-Diretor Financeiro do Grupo CEEE), Ricieri Dalla Valentina Júnior (ex-diretor da empresa CEEE na área de Geração, ex-Diretor Financeiro do Grupo CEEE, e ex-Presidente do Conselho Deliberativo da Fundação CEEE), Claudiomar Gautério de Farias (ex-Diretor de Seguridade da Fundação CEEE), Marcia Beatriz Garcia Rodrigues (ex-Contadora Geral do Grupo CEEE), André Panitz (Engenheiro Eletricista e especialista em Segurança do Trabalho), Flavio Costa Silveira (ex-Chefe da Área de Regulação da CEEE-D e Hélio Ricardo Vaz (ex- Gerente Regional da área de Distribuição).

linha.png