..::data e hora::.. 00:00:00
Programa Sentinela é lançado pela Secretaria de Educação por um olhar mais cuidadoso às nossas crianças e adolescentes

     A Prefeitura de Alegrete, através da Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer, lançou, na noite de 27 de Setembro  de   2019, no auditório do Centro Cultural, o programa “Sentinela”, para debater e buscar soluções diante das aflições vividas no dia a dia das escolas como o bullying e a depressão.

     Expressiva representação da comunidade se fez presente na roda de conversa marcada por relatos preocupantes sobre o tema e a disposição de buscar saídas para o que angustia não somente a escola, mas a família e a sociedade.

     A abertura do encontro teve uma hora de arte com a apresentação da Invernada Mirim do Grupo Tradicionalista Os Tauras. Após a leitura do Estatuto da Criança e do Adolescente, feita pela diretora de educação da Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer, Jusséli Zacarias dos Santos, a Secretária Marcia Dorneles subiu ao palco para anunciar o Programa Sentinela que objetiva mobilizar a família, a escola e a comunidade. A secretária foi enfática ao dizer em alto e bom som que “estamos perdendo nossos alunos para uma guerra alimentada pela depressão, pela violência doméstica, pelo abuso sexual, porque falta amor na família, na sociedade. E quando falta amor, cuidado e atenção em algumas famílias. E quando amor, perde-se o sentido da vida.

              A preocupante realidade nas escolas 
     Dados pesquisados junto a 39 escolas da cidade, revelam a gravidade do momento: são 87 alunos que se mutilam,103 que se drogam, 158 com depressão, 15 sofreram abuso sexual, 45 sofreram bullying e 17 que tiveram outros problemas como gravidez, síndrome do pânico, crise de ansiedade e violência doméstica, fechando em 425 crianças e adolescentes que precisam de uma atenção diferenciada. A secretária falou que está na hora de unir forças sob pena de termos, como consequência, uma sociedade aleijada, sem falar na evasão escolar, repetência, distorção idade/ano, autoestima baixa e profissionais adoecidos. 

Mas algo já vem sendo feito para virar esse jogo, observou a secretária Marcia, citando exemplos como o programa de visita à família; propor aos pais que interajam com seus filhos pelo menos durante 15 minutos sem a tecnologia midiática; o uso do celular como sentinela da criança e do adolescente, o projeto cuidar da família pela família, projeto distorção idade/ano e o projeto Quero-Quero.

               A participação dos convidados no debate
      Na roda de conversa, os convidados abordaram com muita franqueza os temas e deixaram sua contribuição. O prefeito Márcio Amaral, que acompanhou praticamente todo o desenrolar do encontro, foi o primeiro a se manifestar, cumprimentando a secretária Marcia pela coragem de propor o debate de assuntos tão preocupantes e que ensejam a contribuição de cada um na busca de soluções.

     A coordenadora do Serviço de Saúde Mental, Nádia Mileto, representeando a secretária de saúde, Bianca Casarotto, relatou as ações do Setembro Amarelo como esforço de conscientizar sobre mudança de atitude de pessoas que escolhem um caminho para aliviar a dor da alma. Ações concretas como o Programa Sentinela devem ter prioridade para mudar uma realidade que preocupa a todos, afirmou.

     O professor Joselito Perosa, da Escola Lauro Dornelles, apresentou o aplicativo Find my Kids, considerado o melhor para monitoramento dos filhos via celular. O secretário de Segurança Pública, Mobilidade e Cidadania, Luciano Pereira, disse ser preciso apostar numa relação de confiança entre pais e filhos além da convivência educacional. Explicou a respeito do projeto de educação no trânsito, da Secretaria de Segurança e o resgate dos valores sociais. 

     A Escrivã Débora, da Polícia Civil, detalhou sobre o programa Papo de Responsa que é desenvolvido em cidades da 4ª. Região Policial e com muita demanda. A parte mais desafiadora, disse é falar com a família. Mesmo assim, conforme relatou, de julho de 2018 a agosto de 2019, o Papo de Responsa atingiu 6.123 pessoas em Alegrete.

      Participaram com opiniões e sugestões, o psicólogo Márcio Duarte, da Secretaria de Promoção e Desenvolvimento Social; a psicopedagoga Judete Fernandes Dornelles, da EMEI Ibirapuitã, apresentando o projeto Brincar é Coisa Séria que resgata o gosto pelo brincar, fortalece vínculos entre pais e promove a criatividade. E citou o desafio na escola de dedicar 20min do dia para brincar sem os eletrônicos, experiências que vem dando certo, disse a educadora.

      A presidente da Associação dos Arrozeiros de Alegrete, Fátima Marchezan, também presidente do Conselho Municipal Agropecuário, apresentou o projeto “Um dia de Integração no Polo”, levando qualificação para os polos através de cursos, com o fim de minimizar o êxodo rural. Já o presidente do Conselho Tutelar, Antônio Marques, relatou casos em que a atenção dos pais é falha. Disse que os problemas estão nos bairros e também no centro. E concordou que é preciso unir todas as pessoas. O presidente da UABA, Leandro Japur, fez um apelo no sentido de resgatar a família e que a figura do professor é a salvação dessa sociedade. O líder comunitário, Adão Rodrigues chegou a sugerir que diante do atual quadro que vive a sociedade, fosse decretado estado de emergência, por um esforço de valorização das pessoas.

                   Coordenadora da 10ª CRE abre a rede estadual para o Programa
      A coordenadora da 10ª Coordenadoria Regional de Educação, Sara Cardoso, acompanhou todo o desenrolar do encontro e ao final falou que o momento é de reflexão e que o mundo precisa da educação do afeto. “Não podemos perder a esperança em nossos alunos e o chamado é para a família”. E disse que as escolas estaduais estão abertas para trabalharem com o Município.

       A secretária Marcia Dorneles informou ao final que nesta semana será iniciado o trabalho para montar a rede com as instituições que têm possibilidade de irem nas escolas para a apresentação do programa. Um banco de dados será montado para ser enviado às escolas.


FONTE:   DPCom PMA   -  Alair Almeida